segunda-feira, 8 de outubro de 2018

"O Poder" de Naomi Alderman [Opinião]

Wook.pt - O Poder
Título: O Poder
Título original: The Power
Autora: Naomi Alderman
Tradutora: Sónia Maia
Edição/reimpressão: 2018
Editora: Saída de Emergência
Temática: Romance
N.º de páginas: 368
Para adquirir:


Sinopse:

Romance vencedor do Baileys Women's Prize para ficção 2017

Quando as raparigas ganham o poder de causar sofrimento e morte, quais serão as consequências?

E se, um dia, as raparigas ganhassem subitamente o estranho poder de infligir dor excruciante e morte? De magoar, torturar e matar? Quando o mundo se depara com esse estranho fenómeno, a sociedade tal como a conhecemos desmorona e os papéis são invertidos. Ser mulher torna-se sinónimo de poder e força, ao passo que os homens passam a ter medo de andar na rua, sozinhos à noite.

Ao narrar as histórias de várias protagonistas, de múltiplas origens e estatutos diferentes, Naomi Alderman constrói um romance extraordinário que explora os efeitos devastadores desta reviravolta da natureza, o seu impacto na sociedade e a forma como expõe as desigualdades do mundo contemporâneo.

Opinião:

E após Pequenos Fogos em Todos o Lado, a escolha para o #netbookclub [referido aqui] foi O Poder, uma distopia decorrida num mundo similar ao nosso, mas que se altera drasticamente pelo surgimento de uma força. A capacidade de libertar descargas eléctricas dá às mulheres a superioridade, originando uma troca de papéis que abala todos os alicerces conhecidos. O homem deixa de ser o predador, secundarizando-se perante esta onda de poder.

A autora vai alternando entre as perspectivas das personagens, quase todas femininas: Margot, uma influente política americana, e a sua filha Jocelyn, que se debate com o poder que teima em fugir ao seu controlo; Allie, uma adolescente em fuga da violência familiar e que, ao encontrar refúgio num mosteiro, se reinventa como a Mãe Eva, uma líder espiritual; Roxy, filha de um magnata da máfia inglesa e a mais poderosa.

Há uma excepção, nada ocasional. Tunde, um jovem jornalista, partilha os primórdios da mudança e vibra com eles, testemunhando eventos que tanto o atemorizam como o atraem e esta dualidade é um dos pontos mais interessantes da história. É através dele que a autora mostra que, independentemente do sexo, existem emoções e sentimentos partilhados: o instinto de sobrevivência, o medo, a humilhação, o desespero, a necessidade de conforto e de estabilidade e, sobretudo, o sofrimento que o homem, subjugado, experiencia em igual medida.

A capacidade de chocar da narrativa, mais do que a sua forma, induz reflexão sobre o papel feminino nas sociedades contemporâneas, do Oriente ao Ocidente, nos vários estratos sociais. Senti falta de descrições elaboradas que levassem a uma evolução da acção mais pausada e satisfatória para o meu gosto literário. Já o final em aberto assenta que nem uma luva.

As últimas décadas têm representado um ganho significativo quanto aos direitos das mulheres, ou seja, à concretização dos direitos humanos para ambos os sexos. Ainda assim este livro deve ser considerado um alerta ao seu estado de vulnerabilidade, sobretudo nas sociedades em vias de desenvolvimento, em que estão longe de se afirmar sequer como seres humanos de pleno direito.

Seja quem for que detenha o poder, a degenerescência e o caos podem instalar-se. Iremos a tempo de evitar a perpetuação deste paradigma?

Classificação: 4,5/5*

Sobre a autora:
Naomi Alderman
Nascida em Londres, Alderman frequentou a South Hampstead High School e a Lincoln College, Oxford, onde leu Filosofia, Política e Economia. Mais tarde, estuda escrita criativa na Universidade de East Anglia antes de se tornar uma romancista. Em 2007, o Sunday Times nomeou-a escritora jovem do ano.


Foi a principal escritora da Perplex City, um jogo de realidade alternativa, em Mind Candy de 2004 a junho de 2007. Passou a escritora principal no jogo de vídeo em execução Zombies, Run! que foi lançado em 2012. Escreveu artigos para vários jornais britânicos, e tem uma coluna de tecnologia regular no The Guardian.

Em 2012 Alderman foi nomeada Professora de Escrita Criativa na Bath Spa University, Inglaterra. Em 2013, foi incluída na lista Granta dos 20 melhores jovens escritores. O seu pai é Geoffrey Alderman, um académico que se especializou em história anglo-judaica. Fonte: WOOK

Sem comentários:

Enviar um comentário