domingo, 29 de julho de 2018

"Cartas Amorosas de uma Religiosa Portuguesa" de Soror Mariana Alcoforado [Opinião]

Título: Cartas Amorosas de uma Religiosa Portuguesa
Autora: Soror Mariana Alcoforado
Edição/reimpressão: 2013
Editora: Alêtheia Editores
Temática: Epístolas e cartas
N.º de páginas: 70
Para adquirir:


Sinopse:


Primeiro publicadas em Paris, em 1669, sob autoria anónima, as cinco cartas que aqui se reúnem são o retrato de um romance malfadado - e um dos mais impressionantes textos que se conhecem sobre a solidão, a ansiedade amorosa e a entrega total e que acabaram consideradas um dos clássicos da literatura mundial.

Só em 1810 a autoria seria atribuída a Mariana Alcoforado (1640-1723), freira do convento da Nossa Senhora da Conceição, na cidade de Beja, em Portugal. O suposto destinatário era um certo cavalheiro De Chamilly, oficial do exército francês que servira em terras lusas.

Stendhal, Sainte-Beuve, Rilke e Rousseau impressionaram-se com o teor de tais missivas, tendo este último inclusivamente, desconfiado da qualidade e da força dos textos, colocando mesmo em causa a sua autoria: "As mulheres não gostam de arte... é possível que alcancem algum sucesso com pequenos trabalhos que só necessitem de algum espírito e malícia. Elas não sabem descrever ou sentir o amor. Aposto tudo em como estas cartas foram escritas por um homem."

Opinião:

A história de Mariana Alcoforado (1640-1723) é deveras conhecida por terras bejenses, pelo menos por todos os que estão atentos e se interessam pelas curiosidades da região. A sua peculiaridade prende-se pela sua condição de freira e pelas cinco cartas que dirigiu ao amante após a sua partida precipitada, julga ela, por razões familiares.

Na época de Mariana era habitual, entre as famílias nobres, a integração de membros do seu núcleo em conventos renomados, com vista ao aumento do prestígio e influência junto do clero e da sociedade em geral. 

Enclausurada no convento da Conceição, Mariana relata em suas palavras a primeira visão do amado, o cavaleiro De Chamillyestava naquele balcão [a janela gradeada] no dia fatal em que senti os primeiros sinais da minha desgraçada paixão”. Sucedem-se encontros, provavelmente nos aposentos de freira no Convento. Se pode ela ter visto neste amor a personificação da fuga à clausura, imposta tão precocemente, além da expectiva de um futuro diverso, é uma especulação plausível. O certo é que este amor termina com o regresso do cavaleiro a França, deixando Mariana em suspenso. Decide-se por isso ao envio de missivas: num tom cada vez mais extremado e amargo, questiona a ausência de notícias, a veracidade dos sentimentos e as promessas de amor ardente. Testemunhamos um crescendo de sofrimento, fruto da negação da realidade, que redunda em descrença no amor e, por fim, numa inevitável e penosa aceitação dos factos.

A polémica atribuição da autoria [mais pormenores aquipoderia colocar em causa o seu valor mas, dúvidas à parte, e assumindo que Mariana Alcoforado é a remetente destas cartas, a sua originalidade reside na voz feminina destas epístolas. Estando a mulher condicionada e considerada um ser menor, não seria de esperar que fosse capaz de expressar sentimentos de tamanha intensidade, nem tão pouco se associariam a uma religiosa cuja devoção deveria ser o único foco da sua mente.

Os dramas amorosos são recorrentes na literatura, pelo que este tema não constituiu novidade para mim. Ainda assim, gostaria que me ter sentido arrebatada por estas pungentes confissões. E, mesmo que não tenha sucedido por não me identificar com esta vivência do amor, recomendo a sua leitura visto reconhecer a sua importância como fonte histórica da condição feminina e da vida religiosa no Portugal do século XVII.

De referir a parca divulgação da figura e da história associada, a nível regional e nacional, e o seu chocante desaproveitamento enquanto potenciador do desenvolvimento turístico em Beja.

Este foi o terceiro livro no projeto Ler os Nosssos em "Um livro que te custou uma pechincha", ou seja, adquirido pela maquia de € 3,99 (com 20% de desconto) na WOOK.

Classificação: 3,0/5*

Sobre a autora:
Soror Mariana AlcoforadoSoror Mariana Alcoforado nasceu na cidade de Beja em 1640. Ingressou no Convento de Nossa Senhora da Conceição com apenas 12 anos, determinada a dedicar a sua vida ao Senhor.

Contudo, a sua vocação religiosa seria posta à prova quando conheceu o cavaleiro francês Noel Bouton, marquês de Chamilly, que estava em Portugal com as suas tropas, envolvido na guerra da Restauração. Entre os dois surgiu um amor impossível, do qual as Cartas Portuguesas [ou Cartas amorosas de uma religiosa portuguesa] são um belíssimo testemunho.

Publicadas pela primeira vez em francês, em 1669, pelo escritor Lavergne de Guilleraggues, as Cartas têm sido até hoje alvo de grande controvérsia no que diz respeito à sua autoria. A existência de Mariana Alcoforado e do Marquês de Chamilly e o facto de as cartas serem dirigidas a este último são indubitáveis. Aquilo que se discute é a atribuição da autoria dos textos a Soror Mariana Alcoforado e a sua autenticidade. Fonte: WOOK

domingo, 22 de julho de 2018

"Quando o Sol Brilha" de Rui Conceição Silva [Opinião]

Título: Quando o Sol Brilha
Autor: Rui Conceição Silva
Edição/reimpressão: 2015
Editora: Marcador
Temática: Romance
N.º de páginas: 304
Para adquirir:

Sinopse:


Haverá um dia em que tu perceberás. Que verás claramente a estrela que agora não vês. Que distinguirás o seu brilho na noite de penumbra. Porque só então, quando todas as outras se apagarem, essa pequenina estrela brilhará no céu.

«Acho que vi cavalos no horizonte», disse o meu pai com olhos de luz, naquele sábado tão longe dos sonhos.

E era um sábado fácil de descrever: eu lia um livro na varanda e o meu pai esperava pelos cavalos. Era assim ultimamente.

O sorriso do meu pai pacificou-se, sossegando pensamentos tristes que me invadiam, quase sempre àquela hora, quando a tarde se despedia e eu ficava a falar com o pôr do Sol sobre os meus silêncios, contando-lhe toda a verdade, todos os sentimentos que me asfixiavam. Dizia-lhe tudo o que sentia, que acreditava que os dias felizes apenas existiam nas lendas.

Opinião:

Neste segundo livro para o projecto Ler os Nossos, no desafio "Um autor português recomendado por alguém", não posso deixar de agradecer à  Sílvia A. Reis (O Dia da Liberdade / Boas Leituras -  O Dia da Liberdade). Não fosse ela e, provavelmente, não iria chegar a esta leitura.

Quase toda a história decorre num ambiente rural, onde as existências se levam com diminutos percalços. Como é típico, a taberna é o centro de convívio e a população dedica-se a labores marcadamente manuais devido à sua parca instrução. O quotidiano não é de abundância, mas a fome não se faz sentir.

Edmundo surge como o mais reflexivo desta sua comunidade - concluiu a quarta classe, quem diria -, ainda que não ostracizado por tal. Escudando-se na sua natureza melancólica, está resignado a operário para subsistência sua e da família, e a leitor nas horas vagas, aquilo que realmente o compraz. Desde jovem encontra nos livros um refúgio para o seu espírito curioso e aventureiro que as condicionantes não libertaram.
Talvez por essa necessidade de ver outros mundos, eu passava muitos fins de tarde sentado ao lado do meu pai a ler um dos livros que costumava trazer da Biblioteca Municipal da vila velha. Apesar de ser um simples operário, eu gostava de ler livros e de viajar com eles pelo mundo fora. De escutar as personagens falando sozinhas ou umas com as outras, quase como um espreita ou um companheiro secreto escondido atrás de uma cortina invisível, ouvindo-as sem nada dizer. Às vezes, queria falar com elas, chorar ou rir com todas, entrar nos livros como um amigo ou um justiceiro implacável. Queria muito pertencer a todos os livros, figurar neles como parte da vitória ou da ruína. Quando lia, absorvia bocados de bom silêncio, interrompidos apenas quando a minha mulher me chamava para cear ou quando o meu pai me falava dos cavalos imaginários, dos filhos do vento. - p. 29
Constitui família com Evangelina na quinta dos pais, próxima da aldeia - a quinta do Jardins, a aldeia de Granja dos Pardais, a vila velha e a cidade nova: denota-se o contraste entre as ambiências sociais e económicas de um povoado profundamente ruralizado para o mundo urbano e industrializado, onde o progresso não dá tréguas. Após a morte da mãe, o pai, Felismino Jardins, sofre pelo fim do seu grande amor e vive em alheamento. Ainda assim, é um ser pacífico que apenas se agita aquando da visita dos "seus" cavalos, uma doce memória do passado que agora o conforta.

A narrativa compreende um período de mudança, de momentos críticos para o protagonista. É ele quem, de viva voz, os conta em puro despojamento e, desde o início, pressente-se uma carga emocional pesada que a natureza enquadra, reflectindo os estados de espírito. No reverso da medalha encontrar-se-á, enfim, o perdão, o consolo, a resiliência, curiosamente sempre associados ao universo feminino. Quando a vida não o permite, procurar compreensão e concretização naqueles que nos estimam, pode ser a melhor via para não cair no desânimo derivado da perda.

A leitura sucedeu-se célere pela pronta empatia que senti pelas batalhas desta família no limiar do abismo. O seu final não me agradou por completo, no seio de tanta dor veio-me a incredulidade por se chegar a algo de aparência demasiado fácil. Ainda assim, na sua totalidade, é uma história inspiradora e de realidades palpáveis que não deixo de recomendar. Mais do que tantos livros de auto-ajuda que infestam os escaparates, acredito que sejam histórias como esta, ficcionais ou não, que modificam visões e ajudam à reflexão sobre o que somos e o que queremos ser.

Deixo o alerta: não leiam a sinopse presente na contracapa do livro. Felizmente não o fiz, ou teria a leitura definitivamente arruinada por tantos spoilers, por isso, para o início desta opinião, não deixei de procurar um texto diferente.

Classificação: 3,5/5*

Sobre o autor:
Rui Conceição SilvaRui Conceição Silva nasceu em 1963 em Figueiró dos Vinhos, onde reside. É casado e tens dois filhos. Apesar de ter vivido em Coimbra, Tavira e Lisboa, é na sua terra que se sente completo. Escreveu um primeiro romance, Quando o Sol Brilha (2015), onde fala da saudade triste da perda de alguém que se ama, mas também da reconciliação necessária com a vida e com toda a sua beleza. Dei o Teu Nome às Estrelas é o seu segundo romance. Fonte: WOOK

sábado, 14 de julho de 2018

"Reload. Menos stress. Melhor performance." de José Soares [Opinião]

Título: Reload. Menos stress. Melhor performance.
Autor: José Soares
Edição/reimpressão: 2018
Editora: Porto Editora
Temática: Gestão e Organização
N.º de páginas: 240
Para adquirir:

Sinopse:


O dia a dia profissional nunca foi tão desgastante, estamos sempre online, a pressão para obter resultados aumenta constantemente e são cada vez mais as horas que dedicamos ao trabalho. Não descansamos o necessário e isso tem um custo elevado, não apenas na performance, mas também na saúde.

Em Reload, José Soares aplica os conhecimentos adquiridos ao longo de vários anos no treino de atletas de alto rendimento ao ambiente empresarial e explica-nos o que podemos fazer para minimizar o stress e o cansaço.

Através da fórmula dos 4 «R» da performance, o autor demonstra de que modo os princípios do desporto nos podem ajudar a ser mais produtivos, mais saudáveis e a conseguirmos um melhor equilíbrio entre as exigências profissionais e a vida pessoal e familiar.

Opinião:

Com uma vasta experiência na melhoria da performance corporativa, José Soares reuniu neste Reload. Menos stress. Melhor performance. os resultados da sua prática que se podem aplicar, não só a desportistas e profissionais, mas igualmente ao quotidiano de qualquer indivíduo.

Iniciando-se com uma abordagem sobre o ambiente corporativo, o stress e a fadiga, frequentemente o autor recorre ao atleta de alta competição como metáfora para o colaborador de empresas cujos níveis de exigência e de stress são, além de elevados, uma constante.

Surge assim a performance - o conceito-base - e aposta na sua melhoria e manutenção é o foco, tanto na vida profissional como pessoal. Com isso em vista, a proposta do autor passa pelos 4 «R» da Performance: Recover, a recuperação eficaz; Refuel, relacionado com a reposição do nosso stock de energias; Rethink, para repensar a gestão de stress e fadiga; e Reenergize, a forma de recuperar energia "ao longo do dia e da vida" para maximizar o potencial.

Os conselhos transmitidos são relativos ao bem-estar geral: a regulação do sono, o equilíbrio na alimentação, a prática de exercício adequado, entre outros, tal como algumas desmistificações, devidamente sustentados com dados de inúmeros estudos científicos.

Por um lado, a simplificação do discurso leva a uma certa repetição e, por outro, a sua linguagem é extremamente perceptível e as ideias-chave vão sendo sintetizadas para uma melhor assimilação, pelo que a leitura se torna ligeira.

Foi o primeiro livro lido no âmbito do projecto Ler os Nossos, na categoria "Um livro comprado recentemente", e poderia recomendá-lo a todos os que procuram, em oposto a outras sugestões presentes nos escaparates, dicas de saúde aliadas a uma extrema dose de conhecimento e bom senso.

Classificação: 4,0/5*

Sobre o autor:

José SoaresJosé Soares é Professor Catedrático de Fisiologia na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADE-UP). É o coordenador do Gabinete de Biologia do Desporto da FADE-UP e docente em diferentes pós-graduações, em Portugal e no estrangeiro. Na sua atividade profissional destaca-se a ligação ao desporto de alto rendimento como treinador e consultor de atletas em diferentes modalidades. Publicou cerca de 70 artigos científicos em revistas internacionais peer reviewed, é autor de quatro livros e participou como conferencista convidado em mais de 200 reuniões científicas nacionais e internacionais. É, ainda, coordenador da Unidade de Exercício Clínico do Instituto CUF Porto e cofundador da BBY Solutions. Fonte: WOOK

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Aquisições de Maio e Junho

Maio e Junho foram óptimos no que à aquisição de livros diz respeito com a ajuda de passatempos, descontos e trocas. Para aproveitar a verdura circundante, inspirando alguma frescura nestes dias tão quentes, segue-se a habitual pilha: 


Sobre alguns destes livros atrevo-me a dizer:

Com estas aquisições de valter hugo mãe - publicação da mortalidade, o filho de mil homens  e o apocalipse dos trabalhadores - faltam-me o nosso reinoa máquina de fazer espanhóis o remorso de de baltazar serapião, no que toca aos romances de sua autoria.

Em Sonetos, Gregorio Duvivier desafiou-se a abordar humoristicamente temas da actualidade numa forma classicista e, ao tomar conhecimento deste livrinho, não lhe resisti por muito tempo.

Na senda de reunir toda a obra de Saramago consegui Caim, do qual ainda recordo o debate que travou na SIC Notícias, onde discutia acaloradamente o seu conteúdo. 

As Primeiras Coisas de Bruno Vieira Amaral, livro vencedor de inúmeros prémios e cuja sinopse me cativou, demorou mas chegou até mim com altíssimas expectativas. 

Oferta de um amigo, Stranger's in Paradise foi logo lido e, apesar de uma boa leitura, não me tornou fã (I'm sorry, my friend), ainda que não coloque de parte continuar a seguir a série.

E vou finalmente ler Cartas Amorosas de uma Religiosa Portuguesa de Soror Mariana Alcoforado, uma das figuras ilustres da história de Beja. À excepção de alguns excertos, tenho a sua leitura integral em falta.
Por último, não posso esquecer a maravilhosa capa DUB, recebida devido a um passatempo no Marcador de Livros.


Se Julho e Agosto forem tão profícuos quanto os dois meses anteriores, então só me posso dar por satisfeita.

Todas as informações sobre os livros:

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Ler os Nossos | Ler Autores Portugueses

Graças à Cláudia Oliveira, a mulher que ama livros, tomei conhecimento do projecto Ler os Nossos e decidi aderir. Tal como se subentende pelo título, o objectivo é ler e divulgar opiniões sobre livros da autoria de escritores portugueses.


Seguem-se as minhas escolhas para a to be read list:


Um livro comprado recentemente: Reload. Menos stress. Melhor performance de José Soares. Foi dos últimos livros que recebi, graças a um passatempo do Bran Morrighan e é a leitura actual.

Um autor português recomendado por alguém: Quando o Sol Brilha de Rui Conceição Silva. Recomendado e oferecido pela minha querida amiga Sílvia A. Reis (O Dia da Liberdade / Boas Leituras -  O Dia da Liberdade), vou retratar-me pela vergonha de ainda não o ter lido, juntando-o a esta tbr.

Um título que não te parece minimamente interessante, mas vais arriscar: Onório, o poeta bêbado de Fernando P. Fernandes. Nem a sinopse nem o título me despertaram particularmente a atenção, por isso evidenciou-se como a escolha ideal para este desafio.

Um livro que te custou uma pechincha: Cartas amorosas de uma religiosa portuguesa de Soror Mariana Alcoforado. Uma pechincha comprada recentemente e, ainda por cima, com desconto e cuja leitura não posso adiar mais, já que Mariana Alcoforado pertence ao imaginário colectivo da minha cidade.

Para o projecto de leitura Ler Saramago: escolho Levantado do ChãoDe Saramago já li Ensaio sobre a Cegueira, As Intermitências da Morte, Claraboia, A Viagem do Elefante, O Homem Duplicado, Ensaio sobre a Lucidez, O Conto da Ilha Desconhecida, O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Memorial do Convento, Alabardas e A Jangada de Pedra, não necessariamente segundo esta ordem. Chegou a altura de ler Levantado do Chão, uma das suas obras mais importantes, onde se encontram fortes ligações ao Alentejo, retratando o trabalho do campesinato e a luta de classes.

Espero conseguir dar conta do recado, já que o meu ritmo de leitura vai variando bastante. Boas leituras a todos!