sábado, 12 de janeiro de 2019

Aquisições de Novembro e Dezembro

E depois da contenção de Setembro e Outubro, veio o desgoverno total nos últimos meses do ano. Felizmente o reflexo na carteira continua a ser diminuto, o espaço é que, para não variar, impõe as suas restrições, pelo que pensar em desfazer-me de alguns livros cuja leitura não seja premente, ou cuja continuidade nas minhas estantes não seja mandatária, será uma prioridade em 2019.

[clicar na imagem para aumentar]

Relativamente às novas aquisições dou destaque aos clássicos Noites Brancas de Fiódor Dostoiévski, uma obra do autor russo com um teor romântico, lida entretanto e mais do que recomendável e A Flecha Negra de Robert L. Stevenson, pertencente a uma colecção do jornal Público, da qual tenho O Conde de Monte Cristo e Moby Dick, entre outros. 

Além destes encontrei o para mim desconhecido O Romance do Genji hipnotizada pela sinopse e pela capa, o preço sedutor não me deu outra hipótese a não ser adoptá-lo. Ao chegar a casa e após breve pesquisa, descobri ser este o primeiro de dois volumes, pelo que terei, obviamente, de adquirir o segundo tomo em breve (um belo incentivo para uma livrólica anónima, não é?). 

Da Bertrand Livreiros chegou Os Contos de Giuseppe Tomasi di Lampedusa que ofereceu, pelo Natal, duzentos livros a duzentos leitores através de desafios lançados no Facebook. Sendo a escolha aleatória, fiquei surpreendida por a Bertrand Livreiros ter acertado em cheio no meu gosto literário.

Em ficção contemporânea, adquiri A História Secreta de Donna Tartt, neste caso para aproveitar a substituição por outra edição que, tendo o mesmo tradutor, seria melhor pela qualidade do papel e da capa dura características das edições Círculo de Leitores. O Último Adeus de Kate Morton e A Praia de Manhattan de Jennifer Egan resultaram de trocas.

De autores lusófonos temos na pilha Mulheres de Cinza de Mia Couto, oferta da JB Comércio Global e O rapaz de bronze de Sophia de Mello Breyner Andresen que vem continuar a minha colecção das suas obras infantis. Camilo Castelo Branco e o seu Novelas do Minho dispensam apresentações, tal como Os Avieiros de Alves Redol.

Para o fim deixei A Piada Infinita de David Foster Wallace, uma obra da qual tenho ouvido maravilhas. Com receio de uma possível futura ruptura de stock e por ser Natal e o meu aniversário se aproximar, aproveitei uma promoção da WOOK e ofereci-o a mim sem mais hesitações.


Informações sobre todos os livros:

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Leituras de 2018: Top 5

Inspirada por inúmeras partilhas sobre as melhores leituras de 2018, escolhi o meu top 5 de um total de trinta e três leituras realizadas. Aqui fica, sem uma ordem específica.


José Saramago é um dos autores preferidos e pretendo realizar a leitura de, pelo menos, um dos seus livros a cada ano até atingir a totalidade da sua obra. Posto isto, não é admirar que Levantado do Chão tenha marcado o meu ano e surja neste top 5. Até ao momento, ainda que seja impossível gostar de todas as suas obras por igual, este é um autor que nunca me desiludiu. 

Opinião publicada aqui.



Desde 2016 que trazia estes Contos de Hans Christian Andersen na mesa-de-cabeceira.  Facilmente deixei que se intrometem-se outros livros e, sendo o conto um narrativa curta, nunca senti dificuldade em retomar a leitura, mesmo ficando largos meses sem o fazer. Contudo, foi chegado o momento de a terminar - da mesma colecção tenho Fábulas de La Fontaine e Contos Completos dos Irmãos Grimm, decidindo fazê-lo até ao fim do ano. 



Razões para Viver é o testemunho do autor, Matt Haig, sobre a sua relação com a depressão e a ansiedade. Apesar de sentir que se poderiam ter aprofundado determinados aspectos, considero este livro a introdução e uma ferramenta ideal para familiarizar o leitor com estes conceitos.






 Em Uma Volta ao Mundo com Leitores, Sandra Barão Nobre conduz-nos numa viagem pelo mundo em que o encontro com leitores é o pretexto. Seja qual for a leitura, a autora pretendeu imortalizar os actos de leitura e interrogar sobre a motivação para os mesmos.

Opinião publicada aqui.




Uma narrativa poderosa, O Grande Gatsby é uma das obras maiores de F. Scott Fitzgerald. Nela Jay Gatsby procura recuperar o tempo perdido e resgatar o amor de Daisy Buchanan através da riqueza e do luxo ofuscantes. Envolveu-me os sentidos pela sua prosa delicada, raiando a perfeição e por uma história que não esquecerei tão cedo.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Rubricas sobre livros #5: Todas as Palavras



"Um programa sobre livros e seus autores.
Ana Daniela Soares, Inês Fonseca Santos e Luís Caetano conversam com quem nos emociona através das palavras.

Ou, por outras palavras, este é um programa de entrevistas a autores de todos os géneros literários, pontuadas pelas melhores sugestões relativas aos últimos lançamentos do mercado editorial português.

A não perder aqui.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

"Um certo incerto Alentejo" de António José da Costa Neves - Prémio Literário Joaquim Mestre [Divulgação]


Na sua primeira edição, em 2017, o Prémio Literário Joaquim Mestre distinguiu como vencedora a obra Um certo incerto Alentejo de António José da Costa Neves. Indica o título tratar-se de uma narrativa decorrida em pleno Alentejo onde "ninguém é inocente", "a maldade é relativa e a redenção tanto se faz na igreja como nas tabernas".

A apresentação do livro terá lugar no próximo Sábado, 15 de Dezembro, pelas 16h30 na Biblioteca Municipal de Beja - José Saramago. Conta com a participação de Luís Miguel Ricardo (presidente da ASSESTA) e de Helena Rocha (Direcção Regional da Cultura do Alentejo).

 

Acrescente-se que António José da Costa Neves, sob o pseudónimo de E. S. Tagino, teve publicadas as obras Mea Culpa!, Adamastor, O Pequeno Incendiário, Nem por Sonhos, editadas pela Saída de Emergência, sendo que Mataram o Chefe de Posto e O Amor nos Anos de Chumbo estão ainda disponíveis para aquisição.

( via Bran Morrighan )

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Parceria JB Comércio Global [Divulgação]

Se por acaso passaram pela página de Facebook do As Horas.. que me preenchem de prazerou pelo perfil no Instagram, terão reparado no destaque dado à mais recente aquisição: Mulheres de Cinza de Mia Couto, o primeiro livro de As Areias do Imperador - uma trilogia moçambicana.



Tal se deve a ser fruto de uma gentileza da JB Comércio Global, com a qual estabelecemos parceria. Se ainda não conhecem esta incrível empresa, é um prazer apresentá-la sem mais delongas.

A JB é uma empresa vilacondense - e 100% portuguesa - importadora, grossista e distribuidora das principais marcas em Portugal. Fundada em 1998, conta com vinte anos de experiência enquanto comercializadora em diversas áreas: Papelaria, Economato, Jogos e Brinquedos, Livraria, Gift e Embalagem, Cosmética, Guloseimas, Informática e Tecnologia, Higiene e Copa, Equipamentos, Apresentação Visual e Mobiliário de Escritório, entre outros. É um sem fim de artigos aos melhores preços de revenda!

Podem visitar o seu espaço físico com 1000 m2 de exposição em Vila do Conde (Cash & Carry) ou encontrar os produtos que desejam em JBnet.ptDispõe ainda de um Clube Vip, que lhes permitirá aceder a fantásticos prémios e outras regalias, incluindo campanhas de portes grátis.

Vende exclusivamente para profissionais, não o fazendo de forma directa a consumidores finais - B2B). Além de envios para todo o território nacional, os seus artigos chegam também a países africanos de língua portuguesa, como Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

A JB não esquece o seu papel na sociedade e orgulha-se de ter realizado diversas acções de solidariedade social. Foram várias as entidades beneficiadas, como a Cruz Vermelha Portuguesa, o IPO do Porto, Banco de Bens Doados da Entreajuda, Fundação Infância Feliz (em Cabo Verde), entre outras. Já doou mais de 200 mil livros pois tem consciência de que, se todos ajudarmos, não custa!

Além disso, prima pelas boas práticas ambientais, como o comprova a sua adesão à Sociedade Ponto Verde e a preocupação com a eficiência energética e com a minimização do impacto da sua actividade.

Fiquei naturalmente satisfeita pelo contacto amistoso da sua colaboradora, a Joana. Deu-me a conhecer uma empresa com consciência social e ambiental, empreendedora e conhecedora das necessidades de inovação num mercado cada vez mais global e exigente. E sinal disso é o contacto directo estabelecido através destas gentis parcerias. Na parte que me toca, deixo o meu agradecimento pois encheram-me as medidas com esta obra de Mia Couto!

Podem encontrar a JB Comércio Global na sua página oficial, JBnet.pt, ou segui-la através das redes sociais:



sábado, 24 de novembro de 2018

"As Primeiras Quinze Vidas de Harry August" de Claire North [Opinião]

Título: As Primeiras Quinze Vidas de Harry August
Título original:  The First Fifteen Lives of Harry August
Autora: Claire North
Tradutor: Casimiro da Piedade
Edição/reimpressão: 2016
Editora: Saída de Emergência
Temática: Ficção científica
N.º de páginas: 412
Para adquirir (a edição mais recente):


Sinopse:

Harry August não é um homem normal. Porque os homens normais, quando a morte chega, não regressam novamente ao dia em que nasceram, para voltarem a viver a mesma vida mas mantendo todo o conhecimento das vidas anteriores. Não interessa que feitos alcança, decisões toma ou erros comete, Harry já sabe que quando morrer irá tudo voltar ao início. Mas se este acumular de experiências e conhecimento podem fazer dele um quase semideus, algo continua a atormentar Harry: qual a origem do seu dom e será que há mais pessoas como ele?

A resposta para ambas as perguntas parece chegar aquando da sua décima primeira morte, com a visita de uma menina que lhe traz uma mensagem: o fim do mundo aproxima-se. Esta é a história do que Harry faz a seguir, do que fez anteriormente, e ainda de como tenta salvar um passado que não consegue mudar e um futuro que não pode deixar que aconteça.

Opinião:

Os membros do Clube Cronus, os kalachakras, têm em comum um destino: após a sua morte todos renascem, regressando sempre ao ponto de origem. Desta forma, a Harry August está garantido que, assim que morra, voltará às circunstâncias do seu nascimento: o dia de Ano Novo de 1919, numa casa de banho em que a mãe o dá à luz. Este ciclo irá repetir-se, levando-o a passar uma e outra vez pelo período que tinha acabado de viver, com a mesma família e no mesmo contexto social, e são os acontecimentos das suas primeiras quinze vidas que ele nos vem narrar.

Existem clubes Cronus em todas as épocas, desde o passado remoto a um futuro desconhecido e o espírito de entre-ajuda predomina. Quando o seu equilíbrio é posto em causa, pela infracção da regra de ouro de não se interferir e influenciar os marcos históricos, é Harry quem recebe a mensagem do caos futuro e cabe a ele descobrir a sua origem.
"Era uma lembrança do velho adágio segundo o qual tudo o que a tirania precisa para florescer é da cumplicidade de alguns homens bons"
No confronto entre si e aquele que oscila entre seu amigo e arqui-inimigo, surge um retrato da complexidade das relações humanas, inúmeras questões éticas e, mais uma vez, as ambições desmedidas que apodrecem os espíritos. E ainda que se considere o nosso narrador o bom da fita, nem por isso deixa de ter o seu lado negro, nem as suas escolhas deixarão de causar danos.
"Haverá inocência na ignorância? E se há, será que toleramos os outros por causa da sua ignorância? Sentado dentro daquele comboio, com o vapor do meu bafo a juntar-se ao deles e a subir até ao tecto, e a carruagem a saltar sobre cada junção na linha como uma jovem gazela, descobri que não tinha qualquer resposta satisfatória a essa pergunta"
De 1919 até ao final do século XX, o protagonista revive um período abundante em episódios históricos, onde a evolução da espécie se acelerou prodigiosamente. Desde a II Guerra Mundial à expansão espacial, passando pela evolução tecnológica e por construções e colapsos de sistemas políticos, muitos são os acontecimentos abordados na narrativa e que, sem dúvida, a enriquecem. 

Foi uma leitura que, ao não me desiludir, me fez ter ainda mais vontade de ler este género - a ficção científica - que, de inferior, nada tem. Uma obra completa que me trouxe os mesmos prazeres de As Horas Invisíveis de David Mitchell, sobretudo porque não se limita a ficcionar a ciência, mas também alternativas históricas e ambientes sociais, assim como o comportamento humano perante estas possibilidades.

A edição lida (não a referida acima, mas a pertencente à colecção Admiráveis Mundos da Ficção Científica) tem como prefaciadora Inês Botelho, que nos fala sobre a ficção científica, em concreto a sua indevida menorização relativamente a outros géneros literários - percepção essa que partilho - e que ficções como esta vêm desmistificar.  No final, há um posfácio em que Nuno Galopim se debruça sobre obras que se reportam a Histórias que manipulam os calendários, entre as quais 1984 de George Orwell, A Máquina do Tempo de H.G. Wells, ou Dune de Frank Herbert.

Classificação: 4,5/5*

Sobre a autora:
Claire NorthClaire North é um dos dois pseudónimos de Catherine Webb – uma autora britânica nascida em 1986. Estudou História na London School of Economics e Teatro na RADA. A sua estreia, Mirror Dreams, foi publicada quando tinha apenas 14 anos. O livro foi publicado em 2002 e granjeou comparações a Terry Pratchett e Phillip Pullman. Webb publicou mais sete romances, conquistando as críticas, o público e mais duas nomeações para a medalha Carnegie. Sob o pseudónimo Kate Griffin, publicou seis obras de fantasia. Em 2014 publicou o primeiro romance de ficção científica sob o pseudónimo de Claire North, As Primeiras Quinze Vidas de Harry August, tendo sido um bestseller. Em 2015 e 2016, publicou Touch e The Sudden Appearance of Hope. Fonte: WOOK