terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

"Uma Praça em Antuérpia" de Luize Valente [Opinião]

Título: Uma Praça em Antuérpia
Autora: Luize Valente
Edição/reimpressão: 2015
Editora: Saída de Emergência
Temática: Ficção histórica
N.º de páginas: 352
Para adquirir:


Sinopse:

A história de duas irmãs que a guerra separou e o terrível segredo que deixaram para trás.

Há uma saga que ainda não foi contada sobre a Segunda Guerra Mundial: a história de duas irmãs portuguesas, Olívia e Clarice. Olívia casa-se com um português e vai para o Brasil. Clarice casa-se com um alemão judeu e vai morar em Antuérpia, na Bélgica. Ambas vivem felizes, com maridos e filhos, até que a guerra começa e a Bélgica é invadida.

Para escapar da sombra nazi que vai devorando a Europa, a família de Clarice conta com a ajuda de Aristides de Sousa Mendes, o cônsul que salvou milhares de vidas emitindo vistos para Portugal, em 1940, enquanto atuou em Bordéus, França.

A família recebe o visto mas, ao chegar à fronteira de Portugal,um destino trágico a espera... Destino que vai mudar e marcar a vida das irmãs para sempre, por causa de um segredo que só será revelado sessenta anos depois.

Opinião:

Olívia e Clarice são irmãs gémeas nascidas e criadas em Portugal. Porém, à partida, tomamos conhecimento que somente uma está viva, devido a uma grande tragédia que sobre elas se abateu. Para alguns leitores, esta poderá ser uma enorme desvantagem. 

Esta foi uma leitura que iniciei com altas expectativas pelas inúmeras apreciações positivas, apesar de desconhecer outras obras da autora. Aliás, ouvi-a, por mero acaso, apresentar o seu livro na televisão, falando igualmente de Aristides de Sousa Mendes. Personagem histórica pela qual sempre senti grande curiosidade, fui levada a ler a sua biografia antes de iniciar Uma Praça em Antuérpia [ver opinião sobre Aristides de Sousa Mendes - Um Herói Português de José-Alain Fralon aqui].

As expectativas foram parcialmente satisfeitas. O final pareceu-me forçado, conduzido a uma coincidência algo inacreditável, o que, na realidade, não fugiu à globalidade da história, em que as coincidências se sucederam de forma constante e sistemática.

Por outro lado, considerei as personagens credíveis. Ademais as movimentações de Clarice e Theodor na sua rota de fuga aparenta
m ter sido cuidadosamente delineadas pela autora, provocando expectativa e ansiedade  em quem os acompanha. O seu encontro com Aristides e a obtenção do visto pressupõe um futuro risonho e uma esperança palpável...

Luize Valente criou uma ficção sob um fundo histórico, apoiado em testemunhos verídicos e factos comprovados numa teia que, melhor construída seria, não fossem as improbabilidades gritantes minarem a sua narrativa.


Mais uma história sobre a Segunda Guerra Mundial, a propagação do nazismo e a afirmação do anti-simetismo, que continua a não deixar (quase) ninguém indiferente. Foram vidas de sobrevivência e superação quando tudo se perde, incluindo o mais precioso: o amor de quem nos é mais precioso.

Classificação: 3,5/5*

Sobre a autora:
Luize Valente nasceu no Rio de Janeiro, é escritora, documentarista e jornalista, com mais de 25 anos de experiência em televisão, nas redes Globo, Bandeirantes, canal GNT e GloboNews. É autora de diversas obras e documentários, entre os quais se destacam o livro em coautoria com Elaine Eiger Israel: rotas e raízes, e os documentários Caminhos da Memória: a Trajetória dos Judeus em Portugal (2002) e A Estrela Oculta do Sertão (2005), que recebeu o prémio de Melhor Documentário no Festival Internacional de Cinema Judaico de São Paulo.

A partir de 2012 envereda pela ficção, publicando na Editora Record o romance histórico O Segredo do Oratório (2012).

Em 2015 foi lançado, igualmente pela Editora Record, o seu novo romance histórico, Uma Praça em Antuérpia, que agora temos o privilégio de editar em Portugal na ilustre Coleção da História de Portugal em Romances. Estão a decorrer negociações com uma produtora de Nova Iorque para a adaptação deste título ao cinema. Fonte: Saída de Emergência

Sem comentários:

Enviar um comentário