terça-feira, 2 de agosto de 2016

Roteiros por Beja #2: No Museu Regional de Beja (parte II)

[A primeira parte aqui]

A Sala do Capítulo seria em tempos idos utilizada para reuniões em que se discutiriam assuntos relevantes para o quotidiano do Convento, ou para aplicação de correctivos às freiras desobedientes.


As pinturas são de inspiração barroca e, além das que se encontram visíveis, debaixo dos azulejos haveriam pinturas do século XV. Chegou a ser fotografado um macaquinho com trela, possivelmente uma oferta realizada a uma das freiras do Convento e, naturalmente, considerado extremamente exótico.

Os bancos e as paredes estão forrados de azulejos quinhentistas até meia altura e não possuem figuras humanas ou animais, já que a religião muçulmana não o permitiria, além de que o Alcorão impunha um erro nas obras humanas - a perfeição a Deus pertence.

Acima dos azulejos estão pinturas a têmpera de S. João Baptista, S. João Evangelista, S. Sebastião, Santa Clara e S. Francisco de Assis. Encontram-se representações da paixão de Cristo, estando este representado crucificado e na fase de tortura antes da Via Sacra.

Numa das sala de pinturas que visitámos, no quadro de maior dimensão surge S. Bartolomeu a ser esfolado vivo (séc. XVII – atribuído a Ribera, o que já não se confirma). A visível calma e entrega a este processo por parte de S. Bartolomeu demonstra o seu carácter de santo.

Outra pintura muito interessante é Ecce Homo (séc. XV), imagem de devoção, realizada a partir de cartões de Nuno Gonçalves, autor dos Painéis de São Vicente de Fora.

No chão estão duas estátuas representando S. Sebastião, soldado romano convertido ao cristianismo e que, questionado sobre esta conversão não a negou. Foi por isso martirizado – atado a uma árvore e alvo de setas. Numa das estátuas, quando ainda existiam as setas em prata que o perfuravam, por brincadeira foi pendurada numa delas a seguinte mensagem: “basta de tanto sofrer”... 

No primeiro andar encontra-se a exposição arqueológica, entre a qual a doada por Fernando Nunes Ribeiro, com descobertas realizadas na área de Beja, incluindo moedas, peças de adorno, lajes tumulares, entre outras. Observa-se igualmente uma das poucas linguagens no mundo que ainda não foram decifradas – a escrita do Sudoeste – e que teria sido modificada pelos fenícios.


Por último, foi discutida a história de Mariana Alcoforado. Nascida em 1640, data do início da Guerra da Restauração, a pouco mais de 50 metros de distância do Museu, na sua altura Convento da Conceição (e onde hoje se situa o restaurante O Alcoforado), sobre ela conhecem-se em concreto as suas datas de nascimento e óbito.

Conta-se, contudo, que entrou neste Convento com cerca de 11 anos de idade, onde professou aos 16 anos, na Ordem de Santa Clara.

O cavaleiro de Chamilly ter-lhe-ia sido apresentado pelo seu irmão e julga-se que se tenham encontrado no próprio Convento, nos seus aposentos. Nessa altura ela teria por volta dos 21 anos e ele 27 anos.

Desde a sua partida, Mariana nunca mais o voltou a ver, até falecer aos 83 anos. Porém, escreveu-lhe pelo menos as cinco cartas que vieram a conhecimento do público.

As Lettres Portugaises são consideradas das mais bonitas cartas de amor e um clássico da literatura. Nelas se encontra a referência à janela gradeada, que se encontra no primeiro andar do Museu, por onde o terá visto pela primeira vez: “estava naquele balcão no dia fatal em que senti os primeiros sinais da minha desgraçada paixão”. 

Publicadas em francês em 1669, a autenticidade das cartas e da sua autoria encontra-se ainda envolta em mistério e polémica, uma vez que alguns teóricos defenderam que o seu autor poderá ter sido Gabriel Joseph de Lavergne Guilleragues. A ausência de educação para as mulheres desta altura e a juventude de Mariana enfatizam estas dúvidas. Contudo, os pormenores sobre o Convento nas cartas são de tal forma fiéis à realidade que se duvida desta teoria. 

Acreditando que a autoria seja de Mariana, as cartas poderão ter vindo a público dado o hábito existente na Corte francesa de se ler a correspondência e daí ter surgido algum interesse pela sua publicação. Aventa-se também a hipótese de ser uma vingança por parte do Marquês de Chamilly, entre outras possibilidades.
( via página oficial no Facebook da Câmara Municipal de Beja )


Sobre o Museu Regional de Beja:
Localizado no Largo da Conceição, aguarda a vossa visita de Terça-feira a Domingo, das 9h30 às 12h30 e das 14h às 17h15 (encerra Segundas-feiras e feriados).

O preço dos bilhetes é de € 2, com 50% de redução para estudantes, reformados e professores (com cartão comprovativo). Gratuito para jovens até aos 15 anos e professores acompanhando visitas de estudo. A entrada é gratuita aos Domingos.

Os bilhetes dão acesso ao Museu principal e ao seu Núcleo Visigótico que se localiza no Largo de Santo Amaro. Fonte: CM Beja

Sem comentários:

Enviar um comentário