sábado, 11 de junho de 2016

"Todos os Contos" de Edgar Allan Poe [Opinião]

Título: Todos os Contos
Autor: Edgar Allan Poe
Data de edição: 2014
Editora: Temas e Debates
Temática: Contos
N.º de páginas: 952
Para adquirir:


Sinopse:

Edgar Allan Poe é um dos autores mais publicados do mundo, conhecido pela genialidade expressa também nos seus famosos contos de terror e em algumas das histórias de detetives mais macabras jamais escritas, como A Queda da Casa de Usher, Os Crimes da Rua Morgue ou O Escaravelho de Ouro. Notável mestre do suspense, Poe também era poeta e, como demonstram os seus contos sobre hipnotismo e viagens no tempo, foi um pioneiro da ficção científica.

A presente edição reúne todos os contos deste autor clássico da literatura universal e decorre da edição ilustrada anteriormente publicada em dois volumes.

Opinião:

Não podia deixar de dedicar algumas palavras a um dos livros que mais tempo levei a ler (cerca de 10 meses!!), mais do que Guerra e Paz ou Moby Dick que possuem, igualmente, um volume avantajado e um número de páginas considerável.

Antes de mais, posso justificar esta demora com o facto de o livro possuir 69 contos compilados num único volume, o que torna o livro difícil de transportar dentro da mala, como costumo fazer com os de menor volume. Além disso, ler contos de enfiada não me parece muito satisfatório, já que as histórias não amadurecem suficientemente no meu imaginário, tal como aprecio. Desta forma, fui lendo um conto ali, outro acolá, e assim foi decorrendo a leitura.

Parti para esta leitura esperando encontrar o pioneiro do mistério e do terror e, como tal, uma escrita com uma qualidade elevada. Sem dúvida, não me desiludi. Encontrei igualmente alguns contos que enquadraria em ficção científica o que, de facto, me surpreendeu. Confesso que foram contos que me deram muita luta, porque as minhas bases científicas são quase nulas. Acabei por adoptar a atitude de retirar todo o prazer possível da leitura, relativizando os aspectos técnicos abordados nestes contos em específico.

Perpassando um olhar generalizado por todos os contos, os que me mereceram maior pontuação, baseada sobretudo no gosto pessoal, foram os que mais se contextualizaram em ambientes, tremendamente góticos, de profundo mistério e suspense, os mais transcendentes ou os satíricos. O conto final Narrativa de A. Gordon Pym - o de maior dimensão - revelou-se um desfecho fabuloso, já que continuo a adorar histórias de marinheiros, piratas e afins, repletas de aventuras e onde o homem se supera na imensidão do mar.

Julgo que todos - ou quase todos - os contos foram escritos na 1.ª pessoa, pelo que os diferentes narradores estão sempre bem próximos, adoptando-se invariavelmente a postura de contador de histórias. Quando assim se pretende, o suspense é crescente, revelando-se a chave do mistério no final.

A cultura de Poe é imensa, surgindo constantemente sem ferir susceptibilidades. Imagino que tenha sido uma perturbada personalidade na sua época, porém de intelecto elevado e não reconhecido pelos seus contemporâneos, como é de bom tom.

Finalmente, é do meu conhecimento que a Edições tinta-da-china publicou a sua Obra Poética Completa, que entrará directamente para a minha wishlist e, que espero um dia, ler...

Classificação de cada conto (x/5*):
3,0 * A Aventura Sem Paralelo de um Tal Hans Pfall
4,0 * O Escaravelho de Ouro
4,0 * O Embuste do Balão
4,5 * Von Kempelen e a sua Descoberta
5,0 * A Revelação Mesmérica
5,0 * A Verdade sobre o Caso do Sr. Valdemar
4,5 * A Milésima Segunda História de Xerazade
5,0 * Manuscrito Encontrado Numa Garrafa
4,5 * Uma Descida no Maelström
5,0 * Os Crimes da Rua da Morgue
4,0 * O Mistério de Marie Rogêt
4,5 * A Carta Roubada
5,0 * O Gato Preto
5,0 * A Queda da Casa de Usher
5,0 * O Poço e o Pêndulo
4,5 * O Enterro Prematuro
4,5 * A Máscara da Morte Vermelha
4,5 * O Barril Amontillado
4,0 * O Demónio da Perversidade
4,5 * A Ilha da Fada
5,0 * O Retrato Oval
5,0 * O Encontro
5,0 * O Coração Revelador
4,5 * O Sistema do Doutor Tarr e do Professor Fether
4,0 * A Vida Literária do Ex.mo Sr. Thingum Bob
3,5 * Como Escrever Um Artigo à Blackwood
4,0 * Um Aperto
4,0 * Mistificação
3,5 * O Parágrafo TranXformado
5,0 * Da Vigarice Considerada como Uma das Ciências Exactas
4,5 * O Anjo Estranho
4,0 * Mellonta Tauta
4,0 * Perda de Respiração
5,0 * O Homem Que Foi Consumido
5,0 * O Homem de Negócios
4,0 * O Jogador de Xadrez de Maelzel
4,5 * O Poder da Palavra
5,0 * O Colóquio de Monos e Una
5,0 * A Conversa de Eiros e Charmion
4,0 * Sombra
4,0 * Silêncio
3,5 * Filosofia do Mobiliário
3,5 * Uma História de Jerusalém
4,5 * A Esfinge
4,0 * O Homem da Multidão
4,5 * Nunca Aposte a Sua Cabeça com o Diabo
5,0 * «És Tu o Homem»
5,0 * Hop-Frog
4,0 * Quatro Animais Num
4,0 * Por Que Razão Traz o Francesinho o Braço ao Peito
4,5 * Bon-Bon
4,5* Algumas Palavras com Uma Múmia
4,0 * A Propriedade de Arnheim, ou o Jardim-Paisagem
4,0 * A Cottage de Landor
4,5 * William Wilson
5,0 * Berenice
5,0 * Eleonora
5,0 * Ligeia
5,0 * Morella
4,0 * Metzengerstein
5,0 * Uma História das Montanhas Escarpadas
5,0 * Os Óculos
4,0 * O Duc de l’Omelette
5,0 * A Caixa Oblonga
5,0 * O Rei Peste
4,5 * Três Domingos Numa Semana
5,0 * O Diabo no Campanário
4,0 * Entradas de Leão
5,0 * Narrativa de A. Gordon Pym

4,5/5* classificação final

Sobre o autor:


Escritor norte-americano nascido a 9 de janeiro de 1809, em Boston, e falecido a 7 de outubro de 1849. Filho de dois atores de Baltimore, David Poe Junior e Elizabeth Arnold Poe, ficou órfão com apenas dois anos de idade e desde cedo aprendeu a sobreviver sozinho. Foi adotado por uma família de comerciantes ricos de Richmond, de quem recebeu o apelido Allan.

Entre 1815 e 1820, a família Allan viveu em Inglaterra e na Escócia, onde Poe recebeu uma educação tradicional, regressando depois a Richmond. Poe foi para a Universidade da Virgínia em 1826, onde estudou grego, latim, francês, espanhol e italiano, mas desistiu do curso onze meses depois por causa do seu vício do jogo e do álcool. Resolveu então ir para Boston, onde publicou em 1827 um fascículo de poemas da juventude de inspiração byroniana, Tamerlane and Other Poems.

Em 1829 publicou o seu primeiro volume de poemas, com o título Al Aaraaf, Tamerlane and Minor Poems, onde se denota a influência de John Milton e Thomas Moore. Foi então para Nova Iorque, onde publicou outro volume, contendo alguns dos seus melhores poemas e onde se evidencia a influência de Keats, Shelley e Coleridge.

Em 1835 estreou-se como diretor do jornal Southern Literary Messenger, em Richmond, onde se tornaria conhecido como crítico literário, mas veio a ser despedido do seu cargo alegadamente por causa do seu problema da bebida. O álcool viria aliás a ser o estigma que marcaria toda a sua vida até à morte. Casou-se nesse mesmo ano com a sua prima de apenas treze anos, Virgínia Clemm, e o casal resolveu então instalar-se em Nova Iorque, onde não chegou a permanecer muito tempo. Foi em Filadélfia que Poe alcançou fama através de vários volumes de poemas e histórias de mistério e de terror. Em 1838 escreveu The Narrative of Arthur Gordon Pym (A Narrativa de Arthur Gordon Pym), obra de prosa em que combinou factos reais com as suas fantasias mais insanes. Em 1839 tornou-se codiretor do Burton's Gentleman's Magazine em Filadélfia, e nesse mesmo ano escreveu várias obras que o tornaram famoso pelo seu estilo de literatura ligado ao macabro e ao sobrenatural. São elas William Wilson e The Fall of the House of Usher (A Queda da Casa de Usher). A primeira história policial surgiu apenas em 1841, na revista Graham's Lady's and Gentleman's Magazine, sob o nome The Murders of the Rue Morgue (Os Crimes da Rue Morgue), e em 1843 Poe recebeu o seu primeiro prémio literário com a obra The Gold Bug. Em 1844 regressou a Nova Iorque e tornou-se subdiretor do New York Mirror. Na edição de 29 de janeiro de 1845 deste jornal surgiu o poema The Raven (O Corvo), com o qual Poe atingiu o auge da sua fama nacional.

Dois anos mais tarde morre a sua mulher Virgínia, mas Poe volta a casar, com Elmira Royster, em 1849. Porém, antes disso, Poe publica Eureka, uma obra que deu azo a muita contestação por parte de alguns críticos da época e que é considerada uma dissertação transcendental sobre o universo, muito louvada por uns e detestada por outros.

É de regresso à terra natal do seu pai que Poe começa a apresentar indícios de que o problema do alcoolismo já era de certo modo irreversível. De facto, ele esteve na origem da morte do poeta. A obra de Poe é o espelho da sua vida conturbada e dos seus hábitos e atitudes antissociais, que o levavam a ter uma escrita que ia para além dos padrões convencionais. Se por um lado foi vítima de certas circunstâncias que estavam para além do seu controle, como foi o facto de ter ficado órfão aos dois anos de idade, por outro fez-se escravo de um problema - o álcool - que agravaria a sua personalidade já de si inconstante, imprevisível e incontrolável. Edgar Allan Poe. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. Fonte: WOOK

4 comentários:

  1. Estou muito curiosa com este livro, já o tive na mão e realmente parece um desafio, mas dos bons *_*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É realmente um desafio. Primeiro, estranha-se, porque se inicia com contos de ficção científica, se assim se poderem classificar. Depois é que encontramos os géneros pelos quais Allan Poe é conhecido: suspense, terror, policial. De qualquer forma, para mim, valeu muito a pena! :)

      Eliminar
  2. Gosto muito também, juntamente com os contos de Bram Stoker. Infelizmente só tenho alguns contos, mais ou menos separados. Esta versão deixou-me de água na boca :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já vi várias edições com contos isolados. Esta é, de longe, uma excelente edição. O peso é que dificulta a leitura, mas se tiveres um book seat, ou algo do género, torna-se mais fácil. :P

      Eliminar